Você pode nunca ter passado por uma restauração dentária, mas com certeza já ouviu falar dela. Esse procedimento atualmente apresenta inúmeras utilidades na odontologia, e alguns cuidados devem ser tomados na mastigação após a restauração.

Conhecido popularmente como obturação, tem como objetivo reconstruir o dente (ou dentes) que sofreu algum dano, seja por fratura ou cárie, devolvendo suas características naturais.

A seguir, separamos algumas dicas e 8 cuidados importantes na mastigação pós-restauração que vão garantir durabilidade e boas condições para seus dentes!

Indicações para a restauração dentária

A indicação para realizar uma restauração dentária acontece depois do diagnóstico do odontologista. São utilizados vários métodos para determinar a existência de cáries, como observação de manchas, pontos descoloridos nos dentes e sensibilidade. Outra forma de diagnosticar é por meio de raio-x, analisando partes não perceptíveis ao olho humano.

Tipos de restaurações e obturações existentes

O papel do odontologista é escolher o melhor modelo de restauração baseado na gravidade da fratura ou cárie, e sua localização, que atenderão melhor às necessidades de cada pessoa. Esse procedimento é praticamente igual à obturação, sendo diferenciado apenas pelo material utilizado. A restauração é realizada exclusivamente com resina, enquanto a obturação tem maior variedade de elementos. Conheça outros tipos, suas vantagens e desvantagens.

Amálgama

As obturações de amálgamas são conhecidas como metálicas, e são quase tão resistentes e duráveis quanto as de ouro. Elas também apresentam maiores chances de desenvolverem processos de contração e expansão do que as obturações com outras matérias-primas, promovendo rachaduras e trincos. A estética é outra desvantagem; com o passar do tempo, o amálgama começa a escurecer, podendo incomodar algumas pessoas.

Ouro

Alguns consideram a obturação de ouro a mais bonita, e muitos especialistas tem o ouro como o melhor material. Resistente à erosão, ela pode durar até 15 anos. Entretanto, esse material é um dos mais caros, tanto pela sua valorização quanto pelo número de consultas necessárias para finalizar o processo. É um procedimento mais demorado, porém o resultado é muito agradável.

Porcelana

As obturações de porcelana também são conhecidas pelo nome de facetas. Feitas sob medida em laboratórios de próteses, suas vantagens são a alta durabilidade, resistência a manchas, e boa aparência estética que permite deixar a porcelana com pigmentação muito semelhante ao tom do dente restaurado. Porém, infelizmente ela apresenta possibilidade de erosão.

Resina

A instalação da resina é feita a partir da mistura de ingredientes que são colocados no dente para que endureçam. Assim como as porcelanas, as resinas podem ser confeccionadas na coloração dos dentes. Entretanto, não são tão resistentes e duradouras, sendo necessário sua substituição após apenas 5 anos.

Ionômero de vidro

Esse tipo de obturação é feita de uma combinação de vidro e acrílico e costuma durar menos que cinco anos. Também pode liberar fluoreto, elemento que ajuda a prevenir cáries, tornando-a a melhor opção para restauração em dentes de leite de crianças.

Cuidado na mastigação após restauração

Além das cáries e dentes partidos, rachados ou trincados, a restauração também é indicada em desgastes dentários causados por bruxismo (ranger de dentes), hábito de roer unhas e práticas inadequadas, por exemplo, utilizar os dentes para abrir objetos. Confira a seguir alguns cuidados que devem ser realizados na mastigação após a restauração, para mantê-la duradoura.

1. Controle a ingestão de açúcar

Depois do procedimento é comum algumas pessoas apresentarem sensibilidade. Muitos podem ficar sensíveis à pressão, líquidos, e também alimentos açucarados. É indicado diminuir a ingestão desses alimentos para evitar o aparecimento de novas cáries, que podem surgir com o crescimento de bactérias ao redor das restaurações, assim como redobrar os cuidados com a higiene bucal.  

2. Morda lentamente e mastigue devagar

O ato da mordida exerce grande pressão nos dentes, podendo deixá-los doloridos posteriormente à restauração. Quando estiver mastigando o alimento, faça-o devagar, tentando não o morder até o final. Dessa forma é possível impedir o impacto entre os dentes, e evitar dores. O indicado é que a mastigação seja realizada no lado oposto ao dente restaurado, se possível.

3. Evite comer alimentos pegajosos

Para restaurações realizadas com amálgama (as restaurações metálicas), após o procedimento é indicado aguardar um período de tempo antes de alimentar-se, além de tomar muito cuidado com alimentos pegajosos. Mesmo que raramente, podem desprender a nova restauração, por isso devem ser evitados.

4. Deixe a boca fechada ao mastigar

É normal que algumas pessoas desenvolvam sensibilidade até mesmo com o ar frio. Por isso, manter a boca fechada ao mastigar — além de boas maneiras — ajuda a diminuir as chances de dor com a entrada de ar.

5. Evite alimentos em temperaturas altamente frias ou quentes

Bebidas e alimentos muito quentes ou frios — por exemplo, café, sorvete, chá, etc — devem ser evitados para, igualmente ao ponto anterior de contato do ar com os dentes, não desenvolverem sensibilidade.

6. Prive-se de alimentos rígidos

Alimentos como balas, nozes, castanhas, e até mesmo gelo podem causar pressão demasiada sobre os dentes restaurados enquanto ainda estão se recuperando. Morder alimentos rígidos pode soltar as novas obturações, particularmente se forem feitas com amálgama, pois esse modelo leva mais tempo para acomodação do que as de resina.

7. Corte os alimentos ao invés de morder

Morder menos os alimentos que não cabem na boca pode ajudar a prevenir danos à nova restauração. Corte em pequenos pedaços comidas como pães, carnes, frutas e qualquer outra que dependeria de grande pressão nos dentes.

8. Afaste-se de alimentos que mancham os dentes

Outro cuidado que se deve ter na mastigação depois da restauração é não comer alimentos e bebidas pigmentadas que possam manchar os dentes. Abaixo estão alguns exemplos:

  • refrigerantes de cola;
  • café;
  • chás;
  • vinho;
  • beterraba;
  • chocolate;
  • açaí;
  • amora;
  • tomate, e outros.

Essas foram 8 dicas para mastigação após restauração que vão ajudar a garantir boas condições e durabilidade para seu procedimento. Certifique-se de buscar uma avaliação odontológica em clínicas de profissionais com credibilidade no mercado para assegurar o melhor tratamento.

Gostou deste artigo? Então compartilhe em suas redes sociais para deixar seus amigos mais informados sobre saúde bucal!