Cirurgia Ortognática: para que serve e como é feita?

4 minutos para ler

A cirurgia ortognática é um procedimento cirúrgico que modifica a posição das mandíbulas. O propósito do procedimento é corrigir deformidades que afetam tanto a saúde como a aparência do paciente.

Esse tipo de cirurgia é combinado com o tratamento ortodôntico, pois mover as mandíbulas significa ter que mover os dentes também. O uso do aparelho dentário pode ser feito antes ou depois da cirurgia, variando de caso para caso.

Quer saber mais detalhes sobre a cirurgia ortognática? Continue a leitura!

Em quais casos a cirurgia ortognática é indicada?

A cirurgia ortognática é indicada para pessoas que possuem uma desarmonia na face, caracterizada por um crescimento fora do normal de um dos ossos dessa região do corpo. Dentre as deformidades dentais e faciais corrigidas pela cirurgia, podemos destacar:

  • micrognatismo ou retrognatismo: quando a maxila é menor do que a mandíbula, proporcionando um queixo pequeno;
  • prognatismo: quando a mandíbula é maior do que a maxila, projetando o queixo para fora;
  • assimetria: situação a qual a pessoa tem maxilares tortos;
  • mordida aberta: quando os dentes inferiores e superiores não se encaixam.

A cirurgia não corrige somente a estética facial do paciente, mas melhora também suas funções mastigatórias, sua respiração e dores nas articulações, além de prevenir problemas periodontais.

Antes de submeter à cirurgia, o paciente passará pelo tratamento ortodôntico, que pode durar de 6 a 24 meses. Isso porque, antes de corrigir a posição dos maxilares, é preciso ajustar o alinhamento dos dentes.

Como é feita a cirurgia?

Como todo e qualquer procedimento cirúrgico, primeiro são realizados exames laboratoriais que comprovem a viabilidade do procedimento. Em seguida, é feito um planejamento virtual por meio de softwares específicos, para atingir o máximo de precisão na cirurgia.

A cirurgia é feita em ambiente hospitalar, sob anestesia geral. O paciente fica internado por um período de um a três dias. O procedimento consiste em reposicionar devidamente os ossos da face, que, então, são imobilizados com placas e parafusos de titânio.

A cirurgia é realizada dentro da boca. Por isso, não há cicatrizes sobre a pele do paciente.

Quais são os cuidados a serem tomados antes e depois da cirurgia?

Antes de se submeter à cirurgia, o paciente deve fazer um jejum absoluto, não podendo comer nem beber nada durante dez horas antes do procedimento.

Quando ao período pós-cirúrgico, é importante que o paciente siga as instruções do cirurgião. É recomendável que, nos primeiros 45 dias após a cirurgia, sejam consumidos apenas alimentos pastosos, pois o paciente não pode mastigar durante esse período.

É normal que haja inchaço nos primeiros dias — aliás, esse é o principal incômodo pós-cirúrgico. Mas, basta tomar corretamente os remédios prescritos que esse problema passa rápido.

Depois de aproximadamente três semanas, o paciente pode retomar muitas de suas atividades. A recuperação é gradativa, e o paciente retornará muitas vezes ao seu cirurgião nos primeiros meses após a cirurgia, para o acompanhamento de sua recuperação.

Há contraindicações para se submeter à cirurgia?

Mesmo que a cirurgia ortognática traga muitos benefícios, há pessoas que não devem se submeter ao procedimento. Pacientes com doenças sistêmicas que a impeçam de tomar anestesia geral, pacientes com problemas neurológicos ou que não estejam dispostos a cooperar com o período pós-operatório não estão aptos a passarem pela cirurgia.

Ficou claro para você o que é a cirurgia ortognática e para quê ela serve? Quer ter acesso a outros conteúdos informativos como este? Assine nossa newsletter e receba novidades diretamente em seu e-mail!

Posts relacionados

Deixe um comentário