Um sorriso bonito e alinhado é o sonho de muitas pessoas. Afinal, ter uma arcada harmônica é algo que influencia na respiração, na mastigação e até mesmo na fala, além de ter um grande impacto na vida pessoal e profissional. Você sabe quais são os principais fatores que entortam o dente?

Essa é uma dúvida de muitos, especialmente aqueles que não puderam corrigir esse problema na infância e sofrem com isso na vida adulta. Para fazer a correção é fundamental conhecer as principais causas do problema e realizar o tratamento com um dentista de confiança.

Vale ressaltar que ter os dentes tortos não é um sinal de desleixo nem de azar da pessoa. Continue a leitura deste artigo e saiba quais são os 8 principais fatores que entortam o dente, afetando seu posicionamento adequado e a estética do sorriso.

1. Roer as unhas

Hábito bastante comum — principalmente em pessoas ansiosas —, o ato de roer unhas é um dos fatores que entortam o dente, já que essa mania contribui diretamente para o desgaste do esmalte dentário. Roer as unhas aumenta o esforço dos músculos faciais e também das articulações mandibulares na fala e na mastigação, o que pode levar à desarmonia da arcada.

Além disso, a pressão exercida ao roer unhas pode ter como consequência a retração gengival e o encurtamento da raiz, além de levar bactérias nocivas para a boca — já que as mãos têm contato com diversos objetos, que podem provocar infecções, prejudicando o funcionamento do organismo.

2. Dormir de bruços

Essa posição favorece a pressão entre o travesseiro/cama e o rosto. Com o passar do tempo, isso pode fazer com que os dentes fiquem desalinhados, afetando a beleza do sorriso e, consequentemente, a saúde bucal.

Mudar a posição de dormir é algo difícil, mas trata-se de um esforço importante para que se tenha um sono mais reparador (visto que deitar de bruços também afeta a respiração) e evitar que seus dentes entortem.

3. Ranger dentes (bruxismo)

O bruxismo é um dos fatores que causam o desalinhamento do sorriso, já que, durante o sono, os movimentos involuntários da boca provocam o atrito entre a arcada superior e a inferior, causando o desgaste do esmalte dos dentes e podendo deixá-los tortos.

Quem sofre com esse problema deve conversar com um profissional, que fará o molde dos dentes para confeccionar uma placa especial, de modo que a pessoa possa dormir e proteger toda a dentição do atrito entre as arcadas, mantendo a saúde bucal e o alinhamento correto dos dentes.

4. Ter hábitos prejudiciais na infância

Algumas manias das crianças, bastante comuns e aparentemente inofensivas, como chupar o dedo ou usar a chupeta durante muito tempo, podem influenciar na formação e no crescimento dos ossos e das articulações da face.

Tais hábitos podem deixar o palato — conhecido como o céu da boca — mais fundo do que o normal, o que leva ao estreitamento da arcada dentária e, posteriormente, ao nascimento de dentes permanentes desalinhados. Portanto, fique de olho nos pequenos e evite que esses hábitos se prolonguem — para evitar problemas com a saúde bucal no futuro.

5. Contar com fatores hereditários

Nem sempre os fatores que entortam o dente são provenientes de hábitos ou de situações adversas. Em muitos casos, o crescimento ósseo da mandíbula e da maxila é pequeno. Por isso, os dentes de tamanhos maiores não se encaixam perfeitamente na arcada, o que faz com que eles já nasçam tortos — pela falta de espaço suficiente para o seu correto posicionamento.

Muitos adultos que não puderam fazer o tratamento adequado na infância podem buscar um bom profissional para efetuá-lo de maneira adequada, com acompanhamento constante — o que é absolutamente fundamental para corrigir a dentição e exibir um sorriso bonito e harmônico.

6. O nascer do dente siso

Muitas vezes, até mesmo uma pessoa que sempre teve um sorriso perfeito pode sofrer com o desalinhamento dos dentes. Isso acontece porque os sisos não têm espaço suficiente para crescer, o que provoca uma pressão sobre a dentição permanente, empurrando os dentes vizinhos e afetando seu posicionamento adequado.

Por isso, assim de o dente siso erupcionar ou ser detectado pelo dentista, o mais indicado é extraí-lo — evitando o problema e mantendo a beleza e a harmonia do sorriso.

7. Deixar de usar o aparelho de contenção

Após a retirada do aparelho ortodôntico fixo, muitas pessoas não fazem o uso correto do aparelho de contenção indicado pelo profissional. É comum que a sensação de alívio faça com que muitos deixem de utilizá-lo. Como consequência, os dentes, já alinhados, tendem a voltar para sua posição anterior, sem a pressão exercida pelo aparelho.

Portanto, depois da retirada do aparelho, a pessoa deve seguir à risca as orientações do dentista e fazer o uso da contenção durante o tempo necessário, de modo a manter o resultado obtido e evitar que os dentes voltem a ficar tortos, garantindo a eficácia do tratamento.

8. Deixar de visitar o dentista regularmente

Ainda que se tenha um sorriso perfeito, as visitas ao profissional devem ser periódicas (pelo menos de 6 em 6 meses). Assim, pode-se detectar problemas antes mesmo que eles ocorram, como no caso dos sisos, exemplificados acima.

Além disso, com o acompanhamento do dentista é possível evitar doenças periodontais (como a gengivite), que pode levar à perda óssea, que tem como consequência a mudança do posicionamento dos dentes, provocando o seu desalinhamento. Vale ressaltar que a correção na dentição não é apenas uma questão de beleza e estética: a saúde também pode ser afetada seriamente.

A posição incorreta da dentição pode acarretar diversos outros problemas, como dores no maxilar, de cabeça e até mesmo na coluna. Por isso, é fundamental conhecer os fatores que entortam o dente e buscar auxílio de um dentista capacitado para corrigir o problema e alinhar o sorriso.

Se você gostou do nosso conteúdo, então siga-nos no Facebook e acompanhe as nossas próximas atualizações para se manter informado e deixar a sua saúde bucal sempre em dia!