Cada um dos dentes tem uma função específica em nossa boca, por isso, todos eles são importantes para que a saúde oral esteja em equilíbrio. Sendo assim, quando acontece a perda de dentes, a dinâmica bucal fica abalada e diversos problemas podem se manifestar.

Precisamos ficar atentos porque não é somente um problema que pode acarretar a perda de um ou mais dentes. Diversos fatores contribuem para esse efeito indesejado que pode abalar ou sobrecarregar todos os demais dentes e ainda os ossos faciais.

Para que você possa cuidar melhor do seu sorriso, listamos neste artigo as principais causas de perda de dentes. Continue lendo para saber como se prevenir desse problema e ainda descubra qual é o tratamento mais indicado para a reabilitação oral nesses casos.

Quais os principais motivos para perda de dente?

1. Medicamentos e tratamentos muito agressivos

Todas as substâncias que ingerimos ou têm contato com o nosso organismo ou são absorvidas por ele. Isso ocorre quando, pela corrente sanguínea, elas são enviadas para todas as partes do nosso corpo, o que inclui também os dentes e tecidos bucais.

Nem todas essas substâncias são benéficas. Algumas delas desencadeiam efeitos colaterais e reações orgânicas indesejáveis. É isso que acontece com pacientes submetidos à quimioterapia ou radioterapia, procedimentos indicados para o tratamento do câncer.

Esses componentes, embora consigam eliminar as células cancerígenas, também afetam negativamente as células saudáveis. Os tecidos bucais sentem as agressões, e o organismo fica mais suscetível a infecções, além de provocarem secura na boca, descamação celular, entre outros sintomas.

Tais condições abalam a estrutura bucal e podem levar à perda de dentes. Por isso, quando diagnosticada com câncer, uma pessoa precisa procurar por um dentista para que ele acompanhe toda a sua saúde bucal durante o tratamento. Assim evitará ao máximo as consequências negativas desses procedimentos.

Ainda outros medicamentos podem causar prejuízos para a saúde bucal em função dos efeitos colaterais que provocam. Esse é o caso de supressores do metabolismo ósseo, anticonvulsivantes, anticoagulantes, diuréticos e anti-hipertensivos.

2. Falta de suporte ósseo

Os dentes se mantêm fixos na boca por causa do osso alveolar, que lhe serve como sustentação envolvendo a raiz dentária. É preciso que esse tecido tenha uma boa qualidade e esteja na quantidade adequada para servir como alicerce para a dentição.

Quando isso não acontece, o indivíduo fica suscetível à perda de dentes, porque não há osso suficiente para segurá-los. O esforço mecânico natural realizado durante o ato de mastigar, por exemplo, causa sobrecarga nessa base provocando um estresse que desencadeia a motilidade do dente e faz com que ele caia.

3. Inflamações e infecções

Quando as bactérias se proliferam excessivamente na boca, o corpo reage provocando inflamações decorrentes do contato com as toxinas produzidas por esses microrganismos. As gengivas são as estruturas mais afetadas por esse problema, o que requer muita atenção, já que elas também ajudam a sustentar os dentes.

Casos graves de inflamação gengival, e as infecções que se manifestam com o agravamento delas, afetam perigosamente os tecidos que mantêm os dentes fixos. Se não tratados, esses problemas geram a perda dessas partes de sustentação, daí o dente começa a ficar mole.

Como consequência dessa motilidade, existe a possibilidade de ele cair. Afinal, além de os tecidos estarem doentes, eles também acabam ficando insuficientes para manter os dentes presos. Tanto as gengivas quanto as fibras e o osso alveolar são afetados por esses problemas, que podem se estender para todos os dentes da boca.

4. Traumas e acidentes

Outro fator muito comum que acarreta a perda de dentes são os traumas e acidentes que impactam a boca. Pode acontecer essa queda no momento em que o indivíduo se acidenta, em função de uma pancada muito forte que faz o dente se quebrar em sua raiz.

Mas a queda do dente pode ocorrer algum tempo depois do trauma. Isso porque a pancada deixa lesões que nem sempre são visíveis no primeiro momento. Elas afetam a estrutura interna e evoluem para inflamações ou infecções, até mesmo a necrose de tecidos.

Quando isso acontece, a estrutura de sustentação fica abalada e o dente não tem mais onde se apoiar. Ele pode acabar morrendo por não receber nutrientes e oxigênio adequadamente em função das lesões causadas pelo acidente, isso também faz com que caia.

5. Bruxismo

O bruxismo é um distúrbio caracterizado pelo ranger ou o apertar de dentes de forma involuntária, especialmente durante a noite. Acontece o estímulo dos músculos faciais que realizam esses movimentos, fazendo um esforço muito grande sobre a dentição.

Essa sobrecarga mecânica, além de afetar a estrutura dentária, também abala os tecidos periodontais. Podem se desenvolver inflamações e infecções, além do estresse sobre as estruturas de sustentação e todos esses problemas fazem com que o dente se solte.

Além do bruxismo, problemas na mordida também causam a sobrecarga mecânica das arcadas dentárias. Isso acontece porque os dentes não se encaixam adequadamente, então, durante a mastigação existe um esforço maior, que causa o atrito que ocasiona o problema.

Como tratar a perda de dentes?

Quando um dente de leite é perdido, não existe uma preocupação tão grande porque ele será substituído pelo permanente. No entanto, quando é este segundo que se desprende da boca, a única forma de tratar essa condição é por meio do uso de próteses.

Existem as opções fixas e móveis para substituir os dentes perdidos, no entanto, a técnica mais eficaz é a cirurgia de implante dentário. Ela é indicada tanto para um, como vários ou até mesmo todos os dentes que uma pessoa tenha em falta.

Esse tratamento consiste em instalar uma raiz artificial que será recoberta por um dente, também artificial, substituindo aquele perdido. Isso é feito por meio da implantação de um pino de titânio diretamente no osso alveolar, que sustenta todos os dentes.

Esse pino permanecerá fixo e não sairá do lugar. Ele também não fica visível porque estará abaixo da linha da gengiva, servindo apenas como base para a prótese que ocupará a lacuna deixada pelo dente natural.

Embora seja possível reverter a perda de dentes por meio da sua substituição, o ideal é evitar que isso aconteça. Afinal, nada melhor do que ter todos os dentes naturais. Para que você não precise desse tipo de tratamento, veja a seguir algumas dicas de como prevenir a queda de dentes:

  • faça a higienização bucal de forma adequada no mínimo duas vezes por dia;
  • prefira uma escova de cerdas macias e creme dental com flúor;
  • use o fio dental pelo menos uma vez por dia;
  • mantenha uma alimentação nutritiva e balanceada;
  • evite o hábito de morder objetos duros ou roer as unhas;
  • abstenha-se do cigarro;
  • use protetores durante a prática de esportes e atividades físicas;
  • faça tratamentos ortodônticos e para o bruxismo, se precisar;
  • mantenha visitas regulares ao dentista.

É fundamental consultar-se com um especialista periodicamente para que ele possa acompanhar a sua saúde bucal. Lembre-se de que alguns problemas não são visíveis, porque se manifestam nos tecidos profundos da boca, e também podem levar à perda de dentes.

Então, esteja sempre atento aos cuidados de higiene, fundamentais para evitar abalos aos tecidos periodontais, e conte sempre com o suporte de um dentista. Mas caso você sofra a perda de dentes, faça sua substituição o quanto antes para que os demais não sejam prejudicados pelo faltoso.

Gostou deste artigo? Temos outros temas interessantes para compartilhar com você! Basta seguir as nossas redes sociais e acompanhar as postagens no Facebook, Instagram, e LinkedIn.