Aos 33 anos, o músico Wellington Rodrigues teve que extrair três, dos quatro dentes do siso, após passar por uma avaliação para correção do alinhamento dos dentes. “Eles estavam forçando minha arcada dentária”, conta o rapaz. Como o músico pretende colocar aparelho ortodôntico, foi aconselhado pelo dentista a retirar os sisos e assim evitar futuros problemas. “Se não tirasse antes de começar o tratamento, corria o risco de os dentes entortarem novamente após a retirada do aparelho”, comenta. Outro motivo que levou à extração foram os desconfortos e dores que ele sentia, principalmente na hora de se alimentar.

O caso de Wellington pode ser considerado exceção, pois normalmente as pessoas recorrem ao dentista, em decorrência de fortes dores, ainda na adolescência, quando os dentes estão nascendo. A palavra siso significa juízo, bom senso, por isso popularmente os sisos são conhecidos como os “dentes do juízo”. Por nascerem tardiamente, entre os 16 e 20 anos na maioria das vezes, são considerados vilões, pois chegam chamando a atenção, empurrando a gengiva, incomodando os dentes vizinhos e trazendo problemas para a saúde bucal.

O especialista em ortodontia Carlos Henrique Silveira explica que os homens primitivos precisavam de dentes mais fortes para fazer a mastigação. “Os alimentos eram mais sólidos, então os sisos eram extremamente importantes”, conta. Também conhecido como terceiro molar, o siso funcionava como substituto quando algum outro dente era danificado ou extraído antes do tempo.

Com a evolução da espécie humana, os sisos foram perdendo o que seriam essas funções originais. As pessoas começaram a consumir alimentos mais macios e criaram meios para auxiliar a alimentação. “Com isso o dente do siso caiu em desuso. Hoje há casos de pessoas que nem desenvolvem o terceiro molar”, afirma o dentista. Ele garante que o não desenvolvimento dos dentes é algo normal, faz parte da evolução e adaptação da própria natureza.

Mandíbula

Ainda de acordo com o especialista, com a evolução humana o tamanho da mandíbula diminuiu. Devido a isso, pouquíssimas pessoas têm espaço na arcada dentária para que os sisos nasçam de forma correta (veja problemas no quadro). Quase sempre eles ficam impactados ou inclusos, ou seja, não conseguem romper a gengiva ou nascem pela metade, ficando ligeiramente coberto. É justamente aí que as dores, inchaços e inflamações começam a aparecer, o que acaba exigindo extração por processo cirúrgico.

Outro caso em que é aconselhada a extração é quando o paciente necessita usar aparelhos ortodônticos, pois o siso pode entortar a arcada dentária. Não há uma idade limite para se extraírem os sisos, mas é recomendado que sejam retirados antes dos 30 anos, quando ainda estão em desenvolvimento e a raiz não está completamente formada. “Quanto maior a idade, maior é a calcificação do dente e mais complexa é a remoção e a cicatrização”, alerta o especialista.

Problemas com a higienização

Quando o terceiro molar ou dente do siso nasce bem posicionado, sem comprometer a arcada, ele funciona como os demais dentes e não precisa ser retirado. O especialista em ortodontia Carlos Henrique Silveira esclarece que esses dentes nem sempre são vilões. Quando bem posicionados, não causam dores, exceto se estiverem com problemas devido à má higienização.

“Há casos em que é muito difícil fazer a higienização correta, pois os dentes estão localizados em uma região onde as cerdas da escova não conseguem limpar. Mesmo que a pessoa tente fazer uma boa limpeza, não consegue”, afirma o dentista. As dificuldades para a escovação adequada acabam facilitando o acúmulo de sujeira e bactérias. Em consequência, pode provocar sangramentos, cáries, mau hálito, dificuldades para mastigar e problemas como a gengivite e a pericoronarite, inflamação na gengiva.

Matéria do Jornal O Popular.